"Bem-vindos!!!

Se quiserem seguir a crónica e como isto é um blogue, é conveniente ler "de baixo para cima", ou então usar os tópicos que estão na barra lateral.

Esperamos que gostem e agradecemos desde já os momentos que dedicam ao blogue da viagem das nossas vidas"



21/07/10

COPENHAGA(DK) – ESTOCOLMO(S) – 645KMS

Um trio de Capitais e a travessia do Mar Báltico

31/05/2010



Combinamos o despertar para “queimar” a hora do pequeno-almoço! Após o mesmo, dirigi-me à recepção e solicitei um late check-out. Assim poderíamos visitar a cidade vestidos à civil, e no regresso equipávamo-nos para fazer a viagem até Estocolmo.

Por volta das onze começamos o périplo pela capital dinamarquesa. O hotel era central e segundo a informação que nos deram, a uns 10 minutos a pé da praça do município (Rådhuspladsen). Assim fizemos e pelo caminho tivemos oportunidade de apreciar o lago Sortedams.



Perspectiva do Soterdam Sø


Chegados à bonita e movimentada Rådhuspladsen e depois de devidamente apreciado e fotografado o edifício municipal tratamos de comprar bilhetes para um “Hop off – Hop on Bus” para fazermos um pequeno tour pele cidade.



A bonita Rådhuset


Pormenor da fachada



Bela forma de visitar cidades grandes, aconselho!


Uma das primeiras coisas que salta à vista é o número de bicicletas que circulam em Copenhaga. É impressionante! Tem faixas, semáforos e sinais próprios e são muito respeitadas pelos automobilistas.



As bicicletas são tantas, que é necessário arruma-las em dois andares


Um belo exemplar de… bicicleta dinamarquesa!


A primeira paragem foi em Rosenborg Slot, castelo que alberga as jóias da coroa. Em redor do mesmo existem uns jardins belíssimos, Kongens Have, onde aproveitamos para dar um passeio e relaxar.


Rosenborg Slot



Os bonitos jardins do Palácio



A estrear as roupas alusivas à viagem


De volta ao bus, rumamos à zona do Kastellet, uma fortificação pentagonal, junto ao porto de cruzeiros e na entrada dos canais. Mas o que procurávamos aqui era uma pequena estatua, símbolo da cidade. Infelizmente e passado mais de cem anos a olhar para o mar, a “Pequena Sereia” tinha viajado até Shanghai, para a Exposição Mundial.



A explicação


A imagem em directo de Shangai (mas até isso estava avariado)


Miniaturas da famosa sereia


Os grandes navios turísticos que atracam em Copenhaga


A bela Gefionspringvandet (confesso que nomes deste me obrigaram a buscas na internet!)


Um pouco agastados por tal desfeita, voltamos ao nosso tour que nos levou até à zona do Amalieborg, onde tivemos uma belíssima perspectiva da Ópera e onde pudemos apreciar os Palácios Reais e as belíssimas fachadas e cúpula da Catedral.


A Ópera


Palácio Real


A cúpula da Catedral, uma das maiores da Europa


A guarda Real


Daqui fomos a pé até ao bonito Porto de Nihavn, zona medieval, em tempos de má fama, de bordeis e tavernas, agora transformados em restaurantes e bares. As fachadas coloridas dos edifícios e alguns barcos antigos dão um ambiente especial à zona. Aproveitamos uns raios de sol e almoçamos numa esplanada do porto.




Várias perspectivas de Nihavn


Lunch time


Regressamos ao hotel, pegamos nas motos e eram umas 17.30h quando deixamos a capital dinamarquesa para trás. Tomamos a direcção de Malmo, e estávamos próximos de uma das grandes atracções do dia, a Øresundsbroen, uma espectacular obra de engenharia que liga a Dinamarca à Suécia. Ainda do lado dinamarquês, entramos num túnel de cerca de 4kms por baixo do mar até submergirmos numa ilha artificial, onde começa uma ponte 7,8Kms que nos leva até Malmo.



De volta à estrada



O túnel e…



… a ponte de Oresund


A entrada na Suécia foi acompanhada por uma chuva miudinha, mas depressa o tempo foi melhorando. O caminho até Estocolmo seria por auto-estrada (excepto uns 60 Kms), mas como as paisagens suecas surpreendiam pela positiva não foi nada monótono. Perto de Jönköping, ao tomarmos a direcção de Estocolmo, fizemos um troço de auto-estrada com cerca da 70kms, bastante sinuoso, sempre nas margens do lago Vättern e com o sol a pôr-se no horizonte que se revelou um dos momentos mais bonitos do dia. Curiosamente e até Estocolmo onde chegamos perto da meia-noite, já não tivemos noite, havia sempre uma claridade no horizonte! Aliás, não tivemos noite aí, nem nos quinze dias que se seguiram!


Uma bonita paisagem sueca


Ainda faltava um bocadinho


Os aterrorizadores rails suecos: três cabos de aço!


Finalmente, e passados quase três dias, SOL!


Uma da manhã em Estocolmo e a claridade no horizonte


Chegados ao Quality Hotel Prince Philip, previamente reservado, aparcamos as motas e fomos descansar!


Sem comentários:

Enviar um comentário